segunda-feira, 18 de julho de 2011

ASHTAR PEDE PARA NÃO CANALIZAR NO CINTURÃO




         Que a Força de todo o Cosmos esteja com cada um de vocês.
      Tive que retornar hoje, porque mesmo Me sentindo realizado, mas ao mesmo tempo lamentando muito, pois já sabia que isto poderia acontecer: o fracasso do primeiro grupo. Então entrego a vocês o bastão do 1º Cinturão.
         Neste grupo jovem que você criou não tem canalização e assim é o certo. Eles são índigos.
        E sobre o grupo do Rio tentaram te chipar, mas não conseguiram porque você agora é mola mestra no grupo. Portanto não quero canalização durante a meditação no grupo do Rio. Quero mãos dadas como correntes. Quando vocês dão as mãos é como o Sol, com a luz dos chacras das mãos se unindo.
       Quanto à fogueira que você quer fazer é porque você tem uma grande ligação com os xamãs do México, você viveu lá e eles te protegem. Eles não são xamãs de Gaya. Faça a fogueira, mas termina às 22 horas. Isto está no contrato com Magnus. Você vai fazê-la para o seu ego, para a sua satisfação, para o seu xamã que te protege. Com isto, o velho ciclo fica para traz para se reiniciar uma nova fase. Depois das 22 horas nenhum membro da Frota tem autorização para trabalhar com vocês, só no desprendimento.
         O Cinturão é o encontro do Meu Sol com o seu sol. Sinta o Meu sol, Lucia! Me dê a sua mão!  
         Você não precisa dizer no Rio que não sou Eu que canalizo lá. Só diga que não é para fazer a canalização. A função do Cinturão não é canalização, mas sim Gaya! Quando Eu Me projeto para escrever livros, Eu não preciso de Cinturão, mas Eu não ando escrevendo ou canalizando livros. São alguns membros do Comando que têm esta autorização.
        E o milho não foi trazido pela Frota como foi dito no grupo, já existe desde o tempo dos Maias, em tempos muito distantes. É importante que vocês saibam disso porque vejo várias explicações que não são corretas.
         Eu conto com cada um de vocês e que o Meu Sol vos acompanhe sempre.

         Ashtar


Nova Friburgo, 15.03.2007

Nenhum comentário:

Postar um comentário